#32 Livra-te dos teus algozes e então serás feliz

por | ago 12, 2019 | 4 Comentários

Não conseguia assistir o seu sofrimento sem me perguntar: meu Deus, por que ela se submete a essa relação tão abusiva? Seu marido alternava do carinho mais romântico ao espancamento mais cruel. Quando viajava ligava todas as noites morrendo de amores e saudades. Retornava com flores e presentes.

O sexo era prazerosamente violento. Enganando a si mesma, ela mergulhava naquela louca mistura de dor e prazer, sem mais saber onde começava um e terminava o outro. Ele brincava com os filhos e não deixava faltar nada. Ela pensava: “ele vai mudar, pois afinal é um bom pai”. Os anos passavam e a única coisa que mudava era a quantidade de hematomas.

Com ajuda psicológica (pois raramente alguém sai de uma relação assim somente baseada na sua própria força de vontade), dá um basta na situação. Como é próprio deste perfil abusador, perder seu brinquedo, seu objeto de poder, seu saco de pancadas, o fez mais violento ainda. Mas numa reviravolta emocionante algo acontece e ela se livra dele definitivamente. Começa a juntar os cacos e reconstruir a vida com seus dois filhos.

Mesmo depois que ele se foi, ela sentia saudades. O seu abusador não morava mais dentro da mesma casa, mas ainda residia dentro dela. Foi quando numa sessão de terapia, sua psicóloga lhe contou de como algumas pessoas que voltavam da guerra não conseguiam mais se ajustar a um cotidiano pacífico. Sentiam falta da adrenalina, da loucura, da dor. Isto era o que estava acontecendo, ela sentia saudades do seu abusador.

Se você assistiu a maravilhosa série da HBO, Pequenas Grandes Mentiras (Big Little Lies), saberá que conto acima a estória de Celeste. Nicole Kidman encarnou uma personagem que é um arquétipo universal. Em algum momento somos reféns e quando isso acontece damos poderes aos nossos algozes. Neste cativeiro emocional não há felicidade.

Nos libertamos dos nossos algozes quando construímos nossa autonomia, esta maravilhosa característica que nos conduz à liberdade. Por ela enfrentamos quem nos oprime, dizemos corajosamente não, vamos nos tornando senhores de nós mesmos e então experimentamos o doce sabor da felicidade.

4 Comentários

  1. Elisangela

    Maravilhoso

    Responder
  2. Watusi Santos

    Triste realidade que está cada vez mais dura a convivência. Ontem vi uma reportagem informando que o disque 180 recebeu, já nos primeiros seis meses de 2019, 46.510 denúncias de violência contra mulheres e que nem sempre são as próprias violentadas que denunciam. Aceitar ajuda é o começo para essa liberdade.

    Responder
  3. Maristela Velloso

    Perfeito. Todas as escolhas implicam em responsabilidades, resta saber por quem a gente quer ser responsável, pelo outro, ou por nós. “Liberdade é escolher seu fardo”(Hephzibah Menuhin)

    Responder
    • Murilo Pariz

      Eu escolho ser feliz, e para isso devo dizer não aos meus algozes que tanto me rodeiam, ser feliz é opção, é maturidade, é novidade de vida.

      Responder

Deixe uma resposta para Elisangela Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se com seu endereço de e-mail para receber novidades e lançamentos em primeira mão!