#27 A minha barriguinha e o que isso tem a ver com a felicidade

por | jul 8, 2019 | 7 Comentários

Por não conseguir comer como gostaria, ganhei uma certa barriguinha (o diminutivo já é um ato de generosidade com o seu real tamanho). Não gosto de encará-la no espelho e ela me incomoda muito quando constato que camisas de outrora, não cabem mais ou ficam apertadas. Às vezes tenho desejos (diria alucinações) de dormir e magicamente acordar sem ela.

Minha protuberância estomacal acentuada (nome técnico dessa tal barriguinha) é fruto tanto da ignorância quanto do excesso. Se soubesse o que sei hoje sobre alimentação saudável e se comesse de acordo com o que sei, essa danada não teria se criado. Conhecimento e controle teriam impedido o seu crescimento. Queria me livrar dela, menos por razões estéticas e mais por saúde (já não tenho mais idade para ter uma barriga tanquinho).

Por trás desta aparente banalidade (afinal de contas o que é uma barriguinha?) encontra-se o meu desejo estoico de viver uma vida sem excessos. Valorizo o autocontrole, o ser senhor de mim mesmo, o dizer não à gratificação imediata dos meus desejos que me saciam agora, mas cobram um preço depois. A barriguinha é um atestado do meu fracasso. Mas levanto, sacudo a poeira, dou a volta por cima e continuo a crer que a disciplina me liberta, o hábito me faz livre, a luta para me manter dentro da linha já é por si mesmo a felicidade que eu gostaria de encontrar.

Temos a falsa noção de que felicidade é se fazer o que quer, ao contrário, aprender a dizer a não a si mesmo pode nos tornar pessoas mais felizes do que supõe nossa vã filosofia.

7 Comentários

  1. Miriam

    Dei boas risadas quando comecei ler o texto.Crise normal do ser humano. uma barriguinha a mais e as vezes muito mais rs rs Todos temos algo que apareceu depois…rs rs Muito chato! Mas não pode tirar mesmo, a nossa alegria, senão vamos adoecer.Vamos seguir mesmo em buscar de sermos felizes.”tirar o nariz de nós mesmos, faz um bem”

    Responder
  2. Alexandre de Lima.

    …simplicidade, autenticidade e   e profundidade são palavras que me vieram ao ler essa simpática e generosa gota dessa semana. Ao mesmo tempo que há menção de uma particularidade "banal" há o esclarecimento e incentivo de um maior objetivo, o viver uma vida sem excessos, a valorização do autocontrole, do dizer não à gratificação imediata e encontrar no hábito, na busca, na disciplina, a tal preciosa FELICIDADE. Obrigado e vamos juntos!

    Responder
    • Darcy Carvalho

      Muito bom:”dizer não à gratificação imediata”. Simplesmente complicado, mas o caminho para uma vida venturosa.

      Responder
      • Márcia Roberta Amon

        Muitas vezes me sinto forte em fazer uma dieta e a coragem de por em prática as minhas opiniões, recebo milhões de incentivos, entro em grupos de dieta, compartilho receitas, converso com nutricionistas, faço avaliações e… não faço nada! Quando me deparo com uma boa comida que não devo, mas naquele momento, eu quero! A felicidade só por um momento! Ahhhh ela vem! Depois…

        Responder
        • Eduardo Pedreira

          Sim Marcia é isso mesmo rsss

          Responder
      • Eduardo Pedreira

        Difícil Darcy dizer esse não

        Responder
  3. Maristela Velloso

    É duro admitir que uma simples barriguinha tem a ver com nossa falta de domínio.. Pior quando você mete a faca e daqui a pouco lá está ela de novo! rsrs Aí você descobre (lendo e aprendendo com quem trabalha com essas coisas fantásticas!) que além de domínio próprio, ela tem a ver com postura, que tem a ver com nosso jeito de ser, que tem a ver com as coisas que a gente viveu…ui! Só Reich explica!! Ele e seu maior seguidor, Alexandre Lowen. Nosso corpo fala.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se com seu endereço de e-mail para receber novidades e lançamentos em primeira mão!